Finança

Promessas Frustradas Para Medina Azahara Ao Ano De Sua Declaração Como Patrimônio Da Humanidade

O título de Medina Azahara como Património da Humanidade cumpre amanhã um ano. Os compromissos ou banners de anúncios que foram feitos com a euforia dormem o sono dos justos, ou se irão criando, sem chegar ainda a materializar-se, e, nesse último caso com os dados a conta-gotas. ABC retoma neste local os marcos que foram criados existe um ano, ou mesmo antes, e a sua ocorrência presente.

No dia vinte de julho, três semanas depois de tomar o título de Patrimônio da Humanidade, em vista disso presidente do Conselho, Susana Díaz, visitou o sítio. Fez um anúncio rumboso, entretanto sem a mais mínima concretização: garantiu que “todos os recursos financeiros necessários” pra cidade palatina.

O Executivo autonómico do PSOE não elaborou ante a iminência das regionais. Depois delas, o PP chegou à Presidência e uma das carteiras que ostenta é a de Cultura. Os conhecidos foram na oposição muito críticos com os fundos que a Junta socialista dedicava a cidade palatina.

não obstante, as contas de 2019, feitas pelo bipartido, com Cs, bem como não trouxeram uma revolução econômica para o sítio. A cota mais nobre e espetacular do sítio leva fechada de uma década pra tua restauração, que iria durar menos de 2 anos. Sua abertura redoblaría o seu atrativo turístico. Anteriormente, o ainda presidente do Conselho visitou Medina Azahara pra fazer a foto, em razão de não precisou nem ao menos quando se dispararia a segunda época dos trabalhos ou no momento em que concluída a recuperação desse emblemático espaço. A chegada do PP e Cs ao Governo da Junta deixou um anúncio.

No dia 17 de abril, a nova ministra da Cultura, Patricia do Poço (PP), garantiu que as medidas pra finalizar a sua restauração começariam “nas próximas semanas”, que “não meses”. A dia de hoje, o detalhe é que no outono, começam os trabalhos de restauração de atauriques e será, pois, quando é anunciada a data de reabertura da “jóia” da cidade palatina.

O investimento rondará os 600 000 euros e vai centrar as acções a curto e médio período no monumento. Cultura, que conta com apoio do World Monuments Fund, aposta assim como por escoltar este padrão de mecenato. “Serão bem-vindas todas as contribuições privadas que permitam a intervenção no conjunto arqueológico”, complementa o departamento a esse jornal. Além de projetos pontuais, o que está previsto é que se dê claridade verde a um plano diretor, elaborado de acordo com os regulamentos técnicos, que fixa as prioridades pela despesa no sítio. Será a 8 anos e vai agarrar um programa detalhado de investimentos e acções.

  • Deputado pelo Barcelona no Congresso dos Deputados. (1989-1996)
  • três Língua materna
  • um O Caribe antes do contato europeu
  • 1921 — Ideário político, Prometeu. Valência, 1921. 227 p
  • 1830-1837: (vago)

Em julho de 2018, deste modo presidente da Junta observou como uma “prioridade”. Se dialogou que estava em rascunho -o original data de 2006-, e a Diretoria chegou a revelar o seu vontade de que estava em andamento no início de 2019. Com as guirlandas de celebração ainda barriéndose, tudo era idílico. Mas, quando a música parou, a realidade foi menos divertida. A candidatura de Medina Azahara como Património da Humanidade adiciona a constituição do Conselho de Coordenação de Medina Azahara, em que é tomada como padrão, assim como o de os Dólmens de Antequera.

Será um órgão em que se prevê que estejam algumas secretarias, o resto de Administração, da Universidade ou de outros agentes, como os proprietários das parcelaciones do entorno da cidade palatina. O antequerano começou a caminhar em maio, e o fez com a maioria dos representantes ligados ao Conselho.

Dias antes de que o ambiente consiga esse prestigioso selo, o dessa forma director regional de Bens Culturais, Marcelino Sanches, falou que “não vejo distante de tua constituição. Estamos trabalhando nisto”. O relatório do Icomos, órgão consultivo da Unesco -que fornece o título de Patrimônio da Humanidade-, a respeito da candidatura de Medina Azahara postulou que as parcelas são uma ameaça tangível para a cidade palatina.